Bolsa Reciclagem beneficia 1,4 mil famílias de catadores

Anúncio da retomada do programa foi feito junto a catadores de lixo em Itaúna – Imagem: Viviane Lacerda / Divulgação

Governo retoma repasses do programa que estavam interrompidos desde 2017.

Mecanismo importante de auxílio aos catadores de materiais recicláveis, o Bolsa Reciclagem voltou a ser pago a cerca de 1.400 famílias em Minas Gerais. A retomada do programa é fruto de um esforço conjunto do Governador Romeu Zema, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), da Subsecretaria de Gestão Ambiental e Saneamento (Suges) e da Secretaria de Estado e Fazenda (SEF).

O Bolsa Reciclagem apresentava déficit desde 2017, tendo o passivo sido herdado pela atual gestão. Entretanto, durante o mês de novembro deste ano, foi empenhado R$ 1,5 milhão para o pagamento de dois trimestres às 80 associações de catadores de lixo de Minas Gerais. O pagamento se refere ao último trimestre de 2017 e ao primeiro de 2018 e marca a retomada do repasse.

Subsecretário de Gestão Ambiental e Saneamento da Semad, Rodrigo Franco acredita que a retomada dos pagamentos foi o principal ato dos 30 primeiros dias da pasta, criada a partir da reforma administrativa do Estado. Franco ainda destacou que a verba para o custeio do programa já foi incluída na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020, que será enviada para aprovação da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). “A expectativa é que a gente possa garantir os valores de 2020 para dar continuidade ao trabalho das associações que tem resultados em grande parte de Minas Gerais”, reforçou o subsecretário.

Presidente da Associação dos Catadores e Recicladores de Uberlândia (Acru), Alessandro Inácio Pereira fundou a entidade há 10 anos, quando começou a atuar como catador de lixo. Ele comemorou a retomada do benefício. “É de extrema relevância porque em algumas épocas do ano a queda de material é brusca e a bolsa agrega muito”, diz. “Ajuda a equilibrar as contas, colocar pagamentos do galpão em dia, e ainda investir na manutenção de equipamentos da associação”, acrescentou Alessandro.

Tesoureira da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Carmo do Cajuru (Recicarmo), Daniela de Souza também exaltou o pagamento do Bolsa Reciclagem. “É muito importante porque a gente passa muita dificuldade. Na reciclagem não temos apoio de muita gente, não temos um salário mensal fixo e aí, principalmente no final de ano, é um valor que nos ajuda muito”, acredita.

O valor do passivo ainda pendente aos catadores de lixo e associações vai entrar na Lei Orçamentária Anual (LOA) dos próximos anos para que o pagamento possa ser pago de maneira escalonada a fim de eliminar os débitos. Dez por cento do valor total recebido pelas entidades deverão ser destinados à manutenção das associações. O restante do valor é distribuído, igualmente, aos catadores.

ANÚNCIO

O anúncio da retomada do pagamento do Bolsa Reciclagem foi feito pelo secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Germano Vieira, durante o lançamento do projeto de ampliação da coleta seletiva de Itaúna, em evento realizado no dia 12 de novembro, no município. Na ocasião, o secretário adiantou que a retomada do repasse é fruto de uma “engenharia financeira”. “Estamos muito satisfeitos com essa conquista e fazemos o compromisso de equacionar o passivo que foi herdado na Lei Orçamentária de 2020”, afirmou.

Fonte: Ascom Sisema